A bandinha de Tarija

Bandinha de Tarija, OrlandoBrito 66

Directo de Bolívia

Soldados de uma banda de música descansam no intervalo do ensaio na Praça Marechal Sucre, no centro da pequena cidade de Tarija, na Bolívia.

Como foiAcho interessante colher imagens do cotidiano de onde quer que eu vá. É um costume que tenho principalmente quando estou em alguma reportagem fora do país. É também uma maneira de reunir cenas comuns, de pessoas em sua vida habitual, sem nenhuma pose. Como essa aí, que fiz há mais de dez anos de uma filarmônica no interior da Bolívia. Dia desses, revendo as fotos dessa matéria que fui fazer para Veja, “Os Caminhos de Che Guevara”, não me lembrava do nome da praça. Tive que recorrer à internet, ao Google Earth. Pois não é que pude recuperar o nome do lugar? E mais que isso, ver no computador a imagem da mesma pensão que está lá no fundo de minha foto. A praça se chama Mariscal Sucre.

Orlando Brito

Cartagena de Índias

Cartagena de Indias, OrlandoBrito 66

Caribe

Na porta de entrada do mar do Caribe, no litoral da Colômbia, está a agradável Cartagena. 1991

Como foi – Fui a Cartagena cobrir o encontro do Grupo dos Oito, organismo que reúne os presidentes dos principais países da América Latina. Já tinha ouvido falar sobre a cidade, mas nunca imaginei que o lugar fosse palco de tantas histórias. Em Cartagena nasceu a lenda do Capitão Gancho, o pirata de pulso de ferro que, nos séculos XVII e XVIII, atacava com seus corsários os navios carregados de ouro com destino à Europa. A arquitetura mourisca, levada pelos colonizadores espanhóis, é de encher os olhos. Tanto que a UNESCO a inscreveu na lista de patrimônios de relíquias mundiais. Depois, pela beleza da natureza, das praias. Os hotéis são de boa qualidade, a gastronomia variada e a alegria dos ritmos são nota 10. É o lugar que o premiado escritor Gabriel Garcia Márquez escolheu para morar. O contraste dos ônibus antigos com as muralhas históricas forma um visual irresistível para um clic.

Orlando Brito

Direto da França

A indiferenca, OrlandoBrito 6

A Indiferença

Loja da Louis Vuitton, em Paris.

Como foi – Há pessoas que não conseguem se concentrar em leitura de livro durante vôos duradouros. Sou uma dessas. Prefiro ler amenidades. Viajava para a Europa e li na revista distribuída no avião uma matéria com uma socialite. Ela afirmava que o charme tem endereço certo. Aliás, alguns endereços: a Via dei Condotti, em Roma, onde ficam as marcas mais finas da Itália, e a Quinta Avenida, em Nova Iorque, casa das grifes mais importantes do planeta. Ela, porém, não deixou de classificar a sede parisiense da Louis Vuitton, que oferece novidades consideradas chiques. De passagem pela capital francesa, fiz uma foto da loja a que se referia a famosa entrevistada. Lá, os últimos lançamentos têm preços inalcançáveis para as pessoas de carteiras menos endinheiradas.

Orlando Brito

A negra máscara

Zé Kéti

ZeKety, OrlandoBrito 66

José Flores de Jesus, aliás, Zé Kéti, um dos sambistas mais celebrados do Brasil, não teve um fim de vida confortável. Em sua vasta obra musical estão preciosidades como “Acender as Velas”, “Máscara Negra”, “Diz Que Fui Por Aí”, “A Voz do Morro” e “Opinião”, samba que deu nome ao memorável show do Teatro Opinião em 1964. Morreu de falência múltipla dos órgãos, em 1999, aos 78 anos.

Como foi – Pois é… Autor de sucessos inesquecíveis viu diminuir as chances de trabalhar nas noites cariocas. Estive com Zé Kéti em 1991. Fui fotografá-lo para o livro “Senhoras e Senhores”, parte de uma bolsa que ganhei da Fundação VItae. Foi Em 1991, quando ele decidiu mudar-se para São Paulo. Morava de favor no quartinho de um minúsculo apartamento da Rua Augusta, cedido por uma amiga que batalhava até a madrugada. Durante o dia, estendia na cama o paletó xadrez para desamarrotá-lo enquanto lustrava os sapatos. Por volta da meia noite saía para os botequins da Boca do Lixo, onde cantava para os boêmios as músicas que compôs, em troca da sobrevivência.

Orlando Brito.

Baculejo

baculejo, orlandobrito

“Diário da República”

Você já deve ter ouvido a palavra baculejo.
Mas você sabe o que é baculejo?
Baculejo é isso aí.
PM faz revista os bolsos do manifestante preso durante manifestação contra a corrupção.
Brasília, 7 de Setembro, de 2013

OrlandoBrito

O pianista

Orlando Brito, Moreira Lima 6

Arthur Moreira Lima

Arthur Moreira Lima sempre teve a preocupação de colaborar para a preservação ddas raízes culturais do povo brasileiro. E o faz à sua maneira. Desenvolveu o projeto de percorrer os sertões do país com um piano a bordo de um caminhão, levando ao interior as peças musicais de Mozart, Chopin, Villa-Lobos, Ernesto Nazaré e demais compositores clássicos.

Era um sonho antigo que Arthur decidiu concretizar depois de fazer em Brasília uma apresentação na festa do Sete de Setembro de 1999. Ficou surpreso com a presença de mais de três mil pessoas de variadas origens que foram ouvi-lo bem cedinho, ao nascer do sol da Capital. Uma pequena montanha – na verdade, a pista de decolagem de aviõezinhos ultraleves – foi improvisada como palco de um show em que o pianista carioca começou tocando o Hino Nacional, enquanto a bandeira era hasteada por soldados em trajes de gala.

Como foi – É uma receita técnica, mas para aquele que deseja fazer boas fotos, ainda que seja amador, dominar a técnica é essencial.

Em algumas situações, a adversidade da iluminação pode tornar-se aliada na hora do clic. É um artifício que o fotógrafo utiliza para fugir da má condição de luz. Em alguns casos dá certo, noutros não. Isto acontece quando a claridade do fundo é muito maior que iluminação dos elementos em primeiro plano. Para forçar a obtenção desse resultado, diminui-se ainda mais a abertura da objetiva, inibindo a captação de detalhes da cena.

O contra-luz proporciona esse visual chamativo e atraente. Mas é só isso. Tem mais forma e menos conteúdo. É pobre em informação. Bonito, e nada mais. Faça um teste. Tenho certeza: na quinta fotografia de silhuetas que você observar, sentirá falta dos detalhes.

OrlandoBrito

Ulysses

Ulysses-abril-de-1977-OrlandoBrito 6

Abril de 1977

Ulysses Guimarães, nascido na pequenina cidade de Itirapina, perto de Rio Claro, em São Paulo. Deputado federal por onze mandatos consecutivos. Advogado e professor. Democrata. Torcedor do Santos. Ministro da Indústria e Comércio nos anos de 1961 e 1962. Um dos fundadores do MDB, foi o destacado condutor da oposição contra o regime militar. Faleceu em 12 de outubro de 1992 a bordo de um helicóptero na Baía de Angra dos Reis. Seu corpo jamais foi encontrado.

Como foi – Em outubro do próximo ano, 140 milhões de brasileiros irão às urnas para escolher o futuro presidente da República, não custa lembrar que um dos principais responsáveis pela reconquista desse direito democrático foi o Doutor Ulysses Guimarães.

Talvez ele tenha sido o personagem mais expressivo que encontrei em toda minha trajetória de foto-jornalista. Impressionante como sua fisionomia refletia a gravidade de cada momento. Esse aí foi no dia em que o governo fechou o Congresso, em 1977. Sempre digo que Ulysses não era uma simples imagem. Era a efígie de um grande líder.

OrlandoBrito