Burocracia e segurança

Seis homens e um prego

Seis homens e um prego, OrlandoBrito pag ob

O que  poderia ser apenas uma cena comum e insólita no andar térreo do Palácio do Planalto, na verdade revela uma doença eterna e incurável das repartições públicas brasileiras: a burocracia.

Ainda mais quando vem acompanhada do excessivo cuidado com a segurança. Repare nessa foto. Parece brincadeira, mas é realidade: o primeiro funcionário vigia o segundo, que observa o terceiro, que toma conta do quarto. O quinto monta sentinela ou, muito provavelmente procura por outro, enquanto o sexto homem cumpre a simples tarefa de colocar um pequeno prego na parede.

Lisboeta

Cartas para Saramago

JosSaramago, OrlandoBrito

O escritor português José Saramago recebe as correspondências que chegam a seu endereço de Lisboa. Lisboa, 1993

Como foi – Fui a Portugal fazer com Luís Costa Pinto várias matérias para a Veja. Uma delas, com o Saramago. Ele resolvera mudar-se para Lanzarote, uma das ilhas Canárias, depois que seu livro “O Evangelho Segundo Jesus Cristo” foi censurado em seu próprio país, em 1991.

Ao lado da mulher espanhola Maria Del Pilar, dizia ter encontrado o lugar ideal para meditar e escrever. Não tirou o pé de lá durante meses. Mas sempre voltava a Lisboa para principalmente atualizar e conferir a correspondência. Afinal, um ganhador do prêmio Nobel de Literatura recebe mensagens de admiradores e amigos de todo o mundo.

O carteiro já sabia que dificilmente encontraria o famoso destinatário e por isso confiava as cartas ao dono da singela quitanda do Mascote, vizinha do modesto apartamento de Saramago, na Rua dos Ferreiros, número 36, no Bairro da Estrela, um dos mais tradicionais da agradável da capital portuguesa.

Saramago faleceu em 2010, aos 78 anos.