Juazeiro, Bahia

Mau-olhado, quebranto ou Damião e a benzedeira

Juazeiro, Bahia

Benzedeira. É nela em quem muita gente deposita a crença e a esperança de resolver aflições e superstições, como o quebranto, o mau-olhado e suas conseqüências: a inveja, o azar, a tristeza.
Juazeiro, Bahia, 1987.Essa é uma das muitas histórias que aconteceram comigo durante as viagens que fiz pelo interior do Brasil colhendo fotos para o livro “Corpo e Alma”.

Como foi – A benzedeira mandou Damião fechar os olhos. Tomou sua mão e deram uma volta pelo quintal. Depois, lhe disse para sentar-se no tamborete de madeira. Como estava de olhos cerrados, o paciente errou o alvo e levou o maior tombo. Para ele, tudo bem. Em nome de tirar do corpo a sensação de moleza e desânimo qualquer lance lhe servia, ainda que fosse cômico como sua queda.

Depois de benzer o crédulo Damião com uma flor branca e um ramo de arruda, a rezadeira finalizava o ritual da simpatia. Sem olhar para trás, ela saiu caminhando de costas em direção à rua olhando fixamente para o bendito Damião.

Tadinha! Tropeçou com os calcanhares em um cão que dormia próximo ao portão. Se a mordida do cachorro foi dolorida e se a situação do nosso Damião melhorou, não tenho notícia. Mas quando fui retirar o filme de minha Leica, percebi que a tampa que impede entrada de luz não estava corretamente fechada. Depois de revelar o filme, vi que o negativo apresentava essa invasão luminosa em cima de Damião. Como o véu branco sugeria alguma interferência do além, deixei permanecer.

Cruz credo!

Orlando Brito

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>